Escrita

E quando o Jozef como médium é desenvolvido suficientemente, o mestre Alcar pode começar a sua mais importante tarefa: escrever os livros espirituais-científicos.
Desta maneira Alcar como homem espiritual-astral é capaz de novamente 'viver' na Terra e escrever livros não influenciados pelo pensar terreno do Jozef Rulof.
Durante a execução da escrita o Jozef não está consciente do que se escreve.
Quando depois disso desperta do transe e lê a escrita, também para ele é uma revelação como aquelas palavras foram parar naquele papel.
Pelo grau profundo do transe, o Alcar elimina qualquer influência de Jozef Rulof, para que a sabedoria do mundo após a morte possa chegar à terra cem porcento pura.
Este grau mais alto de mediunidade é muito raro.
Porém, para o médium este 'desprender do corpo' é mais difícil que o adormecer naturalmente.
É que a personalidade humana está totalmente entrelaçada com o sistema nervoso.
Dia após dia nossos pensamentos correm através do sistema nervoso e acionamos o nosso corpo pela nossa vontade.
Com isso o nosso corpo está plenamente afinado à nossa própria vontade, à nossa própria vida sentimental, aos nossos próprios pensamentos.
Assim desenvolvemos um controle consciente, mas também inconsciente sobre o nosso corpo.
Este controle e este entrelaçamento de espírito e corpo o Jozef precisa soltar, todas aquelas fibras de nervos precisam ser liberadas da sua personalidade humana, para que Alcar possa tomar este sistema nervoso.
Para possibilitar isso Alcar começou a preparar esta mediunidade já durante os primeiros anos de vida de Jozef.
O Alcar tinha que prevenir que a personalidade do médium se entrelaçasse demais com o seu corpo.
Em criança às vezes Alcar já desprendia Jozef do seu corpo e lhe possibilitava 'sair do corpo' como espírito.
Com isso mais tarde Alcar pôde possibilitar a Jozef Rulof adulto sair regularmente e desenvolver-se espiritualmente.
Durante o transe ele faz Jozef sair do seu corpo material para que Jozef como personalidade espiritual possa ver e agir na vida astral, a vida do espírito.
Jozef Rulof acha este dom de sair o aspecto mais bonito da sua mediunidade.
Em 'Uma Olhada no Além' o Alcar esclarece ao Jozef porque isso é tão importante:
Levaremos os Homens a este caminho lindo, para que se desenvolvam para depois, quando morrerem na Terra, poderem ver a luz no Além.
Uma Olhada no Além, 1936
O Homem vive na matéria, em volta da matéria e com ela, esquecendo o espiritual, o bonito, pelo qual precisa crescer a alma humana.
E o surpreenderá, perceber como ela é obstruída no seu crescimento, porque não pretendem aceitar a realidade da existência de uma vida após a morte.
Uma Olhada no Além, 1936
Alcar faz Jozef vivenciar primeiro no espírito e depois o que é vivenciado é registrado em escrita.
Com isso o Jozef Rulof também pode 'representar' os livros, porque ele mesmo experimentou tudo.
E quando Alcar e os líderes de Alcar começam a levantar a sua universidade em conhecimento espiritual-científico em 27 livros, Jozef pode crescer junto com o aprofundamento da cada livro novo.
Isso também esclarece porque o livro seguinte se aprofunda mais nas leis espirituais que sustentam a vida terrena, deles e a nossa, porque desta maneira vai no ritmo que Jozef pode assimilar.