Resumo

Resumo Uma Olhada no Além

A trilogia “Uma Olhada no Além” é o primeiro título e livro do Jozef Rulof e desta maneira uma boa apresentação da sua mediunidade escrita.
A trilogia é construida em volta dum princípio básico para o aumento da nossa consciência espiritual: “Há vida após a morte”.
No prefácio da primeira edição Jozef Rulof escreveu: “A edição deste livro tem como fim convencer a humanidade do seu prosseguimento - em forma existencial mais elevada - depois da morte física.”
Portanto, não somente “a vida após a morte” mas concretamente o prosseguimento, bem consciente da personalidade humana como espírito.
Nesse sentido o “espírito” não é uma conceção vaga ou um produto secundário do cérebro, como descreve a ciência terrena.
Nestes livros apresenta-se o espírito como uma personalidade humana que, ao morrer, se desprende do seu corpo terreno e prossegue como espírito.
Este espírito também tem um corpo, um corpo astral ou espíritual, que a princípio aparenta igual ao corpo terreno, porque a mesma personalidade espiritual lhe deu a forma.
Nestes livros é descrito em detalhe a natureza e a construção deste corpo astral.
A trilogia esclarece que os Espíritos se encontram tanto nas “Esferas celestiais” como aqui na Terra.
Para a maioria das pessoas eles não são visíveis, porque não têm mais um corpo fisico.
Porém o Jozef Rulof podia observá-los já em criança e falar com eles.
Devido ao seu alto grau de clarividência e clari-audiência e sua vida de sentimento pura, ele pôde ser desenvolvido a um médium puro para os Espíritos para se fazer conhecer na Terra.
Nestes livros Jozef é chamado de “André”.
A primeira parte desta trilogia descreve a maneira estranha em que André conheceu o Espírito Alcar.
No primeiro instante André não quer saber de Espíritos ou Espiritismo, mas o Alcar mesmo entra em contato com André, porque o Alcar quer dar à humanidade a sua sabedoria e o seu amor.
O livro contém centenas de provas que Alcar dá ao André para mostrar que o espírito realmente prossegue depois da morte física.
O Alcar mostra que ele e seus “irmãos” conservaram todos os seus sentimentos e faculdades humanas.
Para esclarecer também às outras pessoas, Alcar pede a vários Espíritos para pintar novamente na Terra usando o corpo fisíco do André.
O próprio André não possui talento para desenho, mas os pintores espirituais criam quadros poderosos que testemunham as suas altas faculdades.
O André recebe estes trabalhos em transe.
A pintura também é usada para aprofundar o seu estado em transe.
Depois de anos de desenvolvimento, o André é capaz de, durante este transe, sair do seu corpo fisíco, como espírito.
Assim, com os seus próprios olhos espirituais pode verificar o que Alcar lhe contou sobre os mundos espirituais.
O Alcar e o André fazem juntos centenas de viagens “astrais” às esferas de luz e de escuridão.
O Alcar leva o André aos mais altos “Céus”, para dar uma visão geral à humanidade da felicidade que o Homem aguarda depois da sua morte terrena.
O André vê até a sua filha nascida morta na “Esfera infantil” e devido a isso pode apoiar a sua mulher lhe falando como a sua filha vive ali numa felicidade celestial e como é atendida amorosamente por mães espíritas.
O Alcar mostra ao André como o Homem como personalidade humana, segue construindo arte e ciência, para em seguida levá-las à Terra.
Muitos Espiritos de luz estão constantemente inspirando o cientista terreno e o médico para curar as terriveis doenças que há na Terra.
O Alcar leva o André também às sete Esferas de escuridão, onde os Espíritos obscuros encontraram a sua morada astral.
Nessas regiões escuras André é atacado por entidades obscuras que o querem dominar.
O Alcar o salva das garras, mas o André aprendeu com isso como estas forças astrais são “reais”.
No final, o Alcar e o André fazem, em espírito, também muitas viagens na Terra onde, invisiveis aos outros, seguem a vida do Homem.
O André se surpreende quando percebe que o Homem, geralmente, não está só, mas rodeado de Espíritos.
Os Espíritos de luz ajudam cada pessoa disposta para isso, enquanto os Espíritos obscuros tentam influenciar os Homens a seguir suas paixões obscuras.
O André vê claramente como na Terra o próprio Homem determina qual a influência espiritual que ele atrai.
As pessoas que dão amor a tudo o que vive são ajudadas pelos Espíritos de luz para assim incrementar o nível espiritual da humanidade.
As pessoas com sentimentos interiores obscuros atraem os seus semelhantes das regiões astrais que também aumentam mutuamente o seu poder.
Durante as suas saídas do corpo fisico, o André vê coisas nunca vistas por olhos humanos.
Assim vê o que acontece com o espírito de um músico que está sendo cremado na Terra.
André é testemunha do sofrimento insuportável que este espírito passa, o que o convence das consequências terríveis desta ignorância espiritual da humanidade.
Por isso, nesse momento, ele diponibiliza a sua vida e o seu corpo fisíco ao Alcar para levar esta sabedoria espiritual à Terra.
Estes livros dão “conhecimento” espiritual para poder tomar decisões sobre a vida e a morte.
“Uma Olhada no Além” liga a nossa existência terrena à vida após a morte e mostra como podemos evoluir espiritualmente ao dar amor.

Resumo Aqueles que voltaram da Morte

O segundo título de Jozef Rulof, “Aqueles que voltaram da Morte”, é igualmente uma excelente introdução à sua série de livros.
Jozef trabalhou durante bastante tempo como médium curador.
Sob a direção do seu líder espiritual, Alcar, ele curou muitas pessoas.
Durante os seus últimos dias de vida na Terra, o Jozef conseguiu através de irradiação curativa, ajudar outras pessoas doentes que estavam no fim das suas vidas terrenas, aliviando com este tratamento o sofrimento físico.
Muitas vezes ele podia, pela sua clarividência, manter contato com essas pessoas durante e mesmo depois do seu falecimento na Terra.
Neste livro tomamos conhecimento como três dos seus pacientes, após a sua morte, retornam (Port. regressam) ao Jozef para falar com ele e a humanidade sobre as suas experiências.
O primeiro paciente deu durante a sua vida amor incondicional a todas as pessoas que se dirigiam a ele.
A sua morte processa-se de forma calma e modesta, já que, sendo uma personalidade espiritual, já se havia desprendido durante a sua vida dos seus sentimentos terrenos.
Nós podemos ler como o espírito se desprende durante o falecimento do seu corpo terreno e como ele é “resgatado” pelo seu filho já falecido.
Um amor que através da morte une as almas umas às outras.
Na segunda parte, Jeanne conta como durante o seu falecimento ela se incomoda com a tristeza da irmã que cuida dela.
A sua irmã quer manter a Jeanne para a vida terrena mas Jeanne considera isso como um “entrave”, o que dificulta a sua despedida da existência terrena.
A terceira parte tem como subtítulo “O retorno (Port. regresso) de alguém que zombava daquilo que ele não entendia”.
Esse “alguém” é o Gerhard, um conhecido de Jozef Rulof.
Gerhard ridiculariza a idéia da existência dum mundo espiritual.
Seu lema é “morte é morte” e “mortos se deve deixar em paz”.
Jozef não consegue convencê-lo que os próprios ‘mortos’ vieram até ele para convencer a humanidade da sua vida celestial.
Gerhard se isola totalmente perante esta ciência espiritual.
Depois da sua morte, Gerhard entra numa esfera astral que se formou devido ao seu isolamento.
Ele se encontra confinado a uma espécie de clausura astral, donde ele não poderá sair até ele se abrir do fundo da alma para a verdade espiritual da continuação da vida após a morte.
Ele percebe, desesperadamente, que a esfera astral representa um espelho perfeito dos seus sentimentos interiores.
Depois do seu “retorno da morte”, ele conta a Jozef sobre a sua luta terrível “entre a vida e a morte” para se desfazer da sua descrença, da sua zombaria e do seu isolamento.
Ele grita, literalmente, ao leitor, alertando para que este, já durante a vida terrena, comece a sentir e a pensar espiritualmente, para que não entre na miséria em que ele se encontrara.
Pela descrição da sua luta ele dá uma visão profunda de como nos podemos desfazer das nossas características inferiores e para a ‘luz’ da nossa própria evolução espiritual.
“Os que voltaram da morte” segue onde terminam as “experiências de quase-morte”.
O livro oferece o seguimento dos acontecimentos de milhões de pessoas em todo o mundo que já experimentaram um olhar sobre a continuação da vida espiritual.

Resumo O Ciclo da Alma

Os primeiros dois títulos de Jozef Rulof, “Uma Olhada no Além” e “Os que Voltaram da Morte” apresentam a origem para a expansão do nosso sentir e pensar: há vida após a morte.
No “O Ciclo da Alma” conhecemos o segundo fundamento: a reencarnação ou o renascimento.
Jozef Rulof recebeu este romance poderoso em três partes do espírito Lantos.
Na primeira parte Lantos fala sobre a sua última vida terrena, que se desenrolou na França durante a Idade Média.
Em criança já revela ter o “sentimento” inato para a arte.
Ele se torna um escultor afamado, mas não está feliz porque não pode conviver com a sua amiga de adolescência, Marianne.
Quando revê a Marianne em circunstâncias difíceis ele comete um delito grave.
Por isso acaba no cárcere.
Por exaustão do corpo na prisão ele se torna cada vez mais sensível para o mundo invisível.
As inteligências obscuras da vida depois da morte o convencem a cometer suicídio dizendo que com isso ele se livrará do seu sofrimento terreno.
O suicídio o levou a uma miséria profunda.
Como espírito ele aprende que podia destruir o seu corpo, mas não a sua própria vida.
Ele continua vivendo como espírito, mas preso ao seu corpo terreno porque ele mesmo quis antecipar o seu tempo cósmico de morrer.
No livro,o Lantos descreve o sofrimento insuportável que criou para si por causa disso.
A dor terrena não é nada em comparação com o que ele experimenta pelo seu suicídio.
E ao chegar ao fim do seu sofrimento há nele apenas uma vontade: fazer com que o Homem na Terra saiba desta realidade espiritual para prevenir sofrimento desnecessário.
Na segunda parte que leva como subtítulo ‘a vida espiritual’, O Lantos descreve a sua “caminhada” sobre a Terra, século após século, para conhecer o homem e protegê-lo da sua ignorância.
Ele descreve como ele enquanto espírito aprende a influenciar o homem na Terra.
Por lhes dar inspiração ele pôde ajudar muitas pessoas e atuar sobre elas como “anjo da guarda”.
Além disso, vê que a sua própria “radiação de luz” aumenta à medida em que dá mais amor e que significa efetivamente algo para os outros na sua evolução espiritual.
Ele estuda como espírito a vida humana na Terra durante nove séculos.
O conhecimento obtido nestes séculos ele resume no livro “O Ciclo da Alma”.
Assim descreve como a alma após uma vida terrena vai ao mundo da inconsciência para se preparar para um novo nascimento.
Neste mundo a vida de sentimento se acalma para que as experiências da vida anterior não perturbem o desenvolvimento do embrião na vida nova.
O Lantos descreve como a alma se liga à nova célula no momento da fecundação.
Mostra também ao leitor como vive o Homem em consequência do seu próprio passado.
No livro ele analisa profundamente “a lei de causa e efeito”.
Assim ele esclarece a origem do seu próprio sentimento, porque vê muitas vidas anteriores em que trabalhara aumentando assim o seu poder de criar algo belo.
Seguindo o seu próprio passado e do Homem terreno século após século, ele vê como evoluem as nossas características e como nós mesmos criamos o nosso futuro devido às ações em vidas passadas.
Lantos descreve como esta lei regressa à nossa vida como um bumerangue até colocarmos em harmonia o que deixámos para trás em desarmonia.
Lantos fica imensamente grato quando conhece a justiça desta lei.
Ele aprende que o Homem tem sempre novas oportunidades na vida para atuar sobre o seu interior e alargar o seu sentimento, até culminar num amor universal.
Na terceira parte do livro de Lantos, ele dá uma imagem intrigante do ser duma alma-gêmea.
O seu laço íntimo com o seu amor da sua adolescência, Marianne , é o resultado de muitas vidas em que estas almas-gêmeas estavam ligadas mutuamente e se amavam.
Ao mesmo tempo ele sente que um dia será novamente ligado a ela para que na vida após a morte ele continue eternamente com ela em amor e harmonia.